06/06/2017 - 18:26 - Atualizado em 07/06/2017 - 16:30

​Catarro persistente na garganta: conheça as causas, os sintomas e os cuidados

O muco desempenha um papel importante no metabolismo do nosso corpo, mas às vezes ele se torna persistente e excessivo, precisando ser tratado


O muco na gargante provoca tosse e é uma resposta do organismo para expulsar a secreção


Sabe aquele catarro que nunca sai da garganta? Além de ser muito incômodo, o muco crônico pode causar ânsias de vômito e, em alguns casos, provocar a sensação de entupimento da garganta. Normalmente, nosso corpo produz muco, como parte do metabolismo. O muco desempenha um papel importante de filtração no processo de respiração e previne que partículas estranhas entrem no sistema respiratório. Ele umedece as passagens nasais, filtra os alérgenos, protege os pulmões e previne as infecções. No entanto, a presença permanente de fleuma na garganta pode ser um sinal de diferentes problemas relacionados ao trato respiratório.

Ter muco excessivo no fundo da garganta pode ser irritante, pois leva à tosse constante. Para algumas pessoas, este é um problema temporário, cuja duração coincide o período de atuação da infecção no organismo, mas em alguns casos isso se torna uma doença prolongada para a qual não há alívio, mesmo com os medicamentos adequados.

Conheça as causas comuns do muco na garganta

Infecções e alergias são as duas causas principais da presença constante de muco na garganta. Rinite e sinusite crônica podem estar relacionados com o muco persistente. É preciso procurar o médico para diagnosticar a real causa do problema. Veja as causas mais comuns:

Alergias — As alergias são, em geral, as causas mais comuns de acúmulo de muco na garganta. Aqueles que são hipersensíveis à fumaça, vapores, gases nocivos, pólen e alérgenos sazonais devem evitar a exposição a esses fatores desencadeantes;

Fumo — O tabagismo prolongado provoca inflamação do revestimento de muco, acionando o aumento da produção de muco no nariz e na garganta. O mesmo problema é manifestado com o consumo excessivo de álcool e de alimentos com cafeína;

Reações a alimentos — Assim como os poluentes ambientais, o consumo de determinados alimentos pode provocar a formação de muco na garganta. Leite e produtos lácteos agravam a situação, especialmente durante o início da gripe sazonal e da febre. Outros alimentos que pioram o muco da garganta são ovos, trigo e produtos à base de grãos integrais;

Infecções microbianas — O muco ajuda a lutar contra micróbios invasores. Quando há uma infecção patogênica, o corpo tende a secretar quantidades excessivas de muco, que funcionam como um mecanismo de defesa. Esse muco espesso, em seguida, é acumulado na garganta para ser expelido.

Doença viral— Outras causas menos comuns incluem infecções virais, como sarampo, coqueluche e catapora. Em resumo, qualquer tipo de infecção causada por bactérias, fungos ou vírus desencadeia a produção em excesso de muco do nariz e da garganta. Assim, o muco da garganta muitas vezes provoca resfriado comum, gripe e sinusite.

Gravidez— Congestão nasal e sensação constante de catarro na garganta podem ser experimentadas por algumas mulheres grávidas. O que acontece é que o corpo sofre uma série de alterações hormonais, o que indiretamente aumenta a secreção de muco.

Problema fisiológico — Problemas como desvio de septo e comprometimento do nariz e da garganta também representam um risco de estagnação de muco na garganta. Se estes órgãos têm problema, com o tempo o muco fica preso no nariz e na garganta.

Sintomas e cuidados

Alguns sintomas relacionados ao muco na garganta são:

Sensação de que algo está preso na garganta e a pessoa acaba tossindo, em vez de limpá-la;

Tosse frequente, que irrita a garganta e provoca sangramento leve. O sangramento é causado devido ao desgaste dos tecidos no revestimento da garganta. É por isso que o traço de sangue está muitas vezes presente no catarro expelido;

Tosse de catarro, falta de ar e congestionamento da garganta, podendo ocorrer dor e inflamação;

Em alguns casos não tratados, o muco persistente pode provocar infecções e halitose (mau hálito).

Agora, confira alguns cuidados que podem ajudar no tratamento do catarro crônico:

Beber água bastante água — Um efetivo remédio caseiro de garganta para muco é beber bastante água e outros líquidos saudáveis (se possível 6-8 copos). O líquido dilui o muco e ajuda na drenagem da garganta;

Gargarejo com água quente — Gargarejo com água quente salina durante três ou quatro vezes por dia ajuda a expelir o muco da garganta e minimiza o risco de infecção. Cuide para não engolir a solução de sal;

Assoar nariz regularmente — Limpar a passagem nasal é uma maneira de expulsar o catarro e evitar que ele se acumule no trato respiratório. Por isso, aproveite o hábito de assoar o nariz;

Hidratar o nariz — Para a lavagem nasal, use água quente dissolvida com uma pitada de sal. Isso ajuda a diluir o muco e impede que ele ainda escorra para a garganta;

Planejar a dieta — Alguns itens alimentares provocam a produção de muco, como produtos lácteos, açúcar, cafeína e soja e derivados;

Gengibre — O gengibre em qualquer forma (chá ou suco) é um remédio antigo para combater resfriado e muco da garganta. Você pode fazer uma pasta de mel e de pó de gengibre (ou gengibre fresco). O consumo de uma colher desta substância duas vezes por dia reduz o muco da garganta e ajuda na cicatrização das células inflamadas.

Atenção! Procure o médico se você perceber sangue, coloração diferente do muco ou qualquer outra anormalidade.

Fonte: Site Saúde e Fitness

Leia também: Saiba o que quer dizer cada cor do catarro