24/09/2019 - 14:14 - Atualizado em 24/09/2019 - 14:10

​Transtorno Afetivo Bipolar: causas, sintomas e tratamento

A doença caracteriza-se por episódios repetidos, nos quais o humor e os níveis de atividade do paciente estão significativamente perturbados




O Transtorno Afetivo Bipolar é uma doença que se caracteriza por episódios repetidos, nos quais o humor e os níveis de atividade do paciente estão significativamente perturbados. Esta alteração consiste em algumas ocasiões, de uma elevação do humor e aumento de energia e atividade (mania ou hipomania) e em outras de um rebaixamento do humor e diminuição de energia e atividade (depressão).


O problema afeta cerca de 1,6% da população geral. A frequência entre homens e mulheres é semelhante, a idade de início é de 20 a 40 anos. Os episódios maníacos geralmente começam abruptamente e duram entre 2 semanas e 4-5 meses. Os episódios depressivos tendem a durar mais tempo, em média 6 meses, raramente mais de um ano.

Após o primeiro episódio, há um risco de aproximadamente 90% de o paciente ter outro episódio em algum momento de sua vida. Dentre aqueles pacientes que apresentam um episódio depressivo, há uma chance de 5 a 15% de que sejam efetivamente bipolares.

Causas

1. Existe um componente genético
2. Alterações cerebrais associadas a desequilíbrio de substancias intracelulares envolvidas na regulação de neurotransmissores (dopamina, noradrenalina e serotonina)
3. Alterações súbitas na estrutura ou na função de áreas cerebrais que participam da regulação do humor



Sintomas

- Nos episódios maníacos ocorre euforia, aceleração psíquica, irritação que pode levar à agressividade verbal e física.

- Aumento de energia e redução da necessidade de sono.

- O pensamento é acelerado com aumento do fluxo de ideias: a pessoa não consegue falar tudo que vem à mente ao mesmo tempo, não consegue manter a atenção em um único foco, faz várias coisa ao mesmo tempo e não consegue terminá-las.

- Os sentimentos podem ser de alegria exagerada e grande euforia ou agitação. Autoconfiança e otimismo extremos, sentimento de poder, influencia, inteligência e riqueza.

- Aumento da libido. Pode achar-se imbuído de poderes ou dons especiais.

- Nos episódios hipomaníacos, os sintomas são menos severos. O grau de aceleração é menor, o aumento de energia pode ser produtiva, porém a pessoa se dispersa e perde mais tempo com detalhes.

- Já os episódios depressivos são caracterizados por tristeza, apatia, desanimo e falta de prazer. Lentidão física e psíquica, com dificuldade de concentração, levando a um raciocínio lento. O pensamento é pessimista, tem preocupações negativas, sentimento de culpa e inutilidade. O sono pode estar diminuído ou aumentado.

- Pensamentos de morte podem levar ao suicídio.


Qual a importância do apoio familiar ?

A família e o paciente necessitam de apoio e psicoeducação para entender o transtorno bipolar.
As medidas psicoeducacionais têm como objetivo dotar o paciente e familiares de conhecimentos teóricos e práticos para compreender e lidar com a doença e suas consequências.
1. É importante saber as características da doença, os altos níveis de recorrência e a sua condição de cronicidade
2. Saber sobre possíveis fatores desencadeantes e ajudar o paciente a encontrar os seus próprios
3.Esclarecer sobre os medicamentos enfatizando vantagens do uso e possíveis efeitos colaterais
4.Detecção precoce dos sintomas como necessidade diminuída de sono, pensamento rápido e hiperatividade
5.Riscos de uso de drogas ilícitas
6.Orientar alimentação saudável e atividade física
7.Orientar quanto ao tratamento na gravidez
8.Alertar sobre risco de suicídio
9.Aprender a lidar com o estigma da doença


Qual o tratamento disponível no SUS e como conseguir os medicamentos?

O tratamento é medicamentoso e psicoterápico. A medicação mais utilizadas são os estabilizadores do humor especialmente o Carbonato de lítio que é dispensado na rede pública de saúde

O que fazer em caso de uma crise? Como agir para ajudar outra pessoa em caso de crise?

Procurar atendimento médico para avaliação e tratamento. Em casos de depressão grave com risco de vida, deve-se levar ao pronto socorro. Na mania e na hipomania é preciso convencer o paciente a tomar a medicação. Caso ele recuse, deverá ser avaliado uso de medicação injetável e possível internação para estabilização do quadro.


Fonte: Blog da Saúde/Ministério da Saúde
Fotos: Free Fotos Pixabay