03/10/2017 - 11:22 - Atualizado em 03/10/2017 - 11:31

​ Previna-se da dengue: evite focos do Aedes aegypti

Com a proximidade da estação chuvosa, aproveite para fazer uma inspeção em determinadas partes da casa para evitar a proliferação do mosquito


Faça furos nos pneus para evitar que a água
fique parada e os focos se reproduzam



No Brasil, país de clima tropical, a estação chuvosa costuma ocorrer, em boa parte do país, de outubro a janeiro, prologando-se até abril. O período, devido às chuvas e às altas temperaturas, é propenso à proliferação do Aedes aegypti, o mosquito vetor dos vírus da dengue, da zika e da chikungunya.

De acordo com o Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), a elevação da temperatura é outro fator que favorece a proliferação do Aedes aegypti nesta época do ano.

O mosquito é sensível tanto à chuva quanto às temperaturas mais altas. Assim, quando tem chuva aumenta a oferta de criadouros e quando a temperatura aumenta, aumenta a velocidade do desenvolvimento do Aedes aegypti. Para combater o inimigo, é importante conhece-lo. O Aedes aegypti é parecido com um pernilongo, mas é preto e branco. O macho não pica, só a fêmea.

A fêmea precisa de sangue para a produção de ovos. Tanto o macho quanto a fêmea se alimentam de substâncias que contêm açúcar (néctar, seiva, entre outros), mas como o macho não produz ovos, não necessita de sangue.

Embora possam ocasionalmente se alimentar com sangue antes da cópula, as fêmeas intensificam a voracidade pela hematofagia após a fecundação, quando precisam ingerir sangue para realizar o desenvolvimento completo dos ovos e maturação nos ovários. Normalmente, três dias após a ingestão de sangue as fêmeas já estão aptas para a postura, passando então a procurar local para desovar.

Ciclo — O mosquito leva de sete a dez dias para se desenvolver de ovo a adulto e, segundo a Fiocruz, a forma mais eficiente de evitar surtos das doenças por ele transmitidas é eliminar o ciclo de vida do inseto.

Por isso, é importante ficar atento aos locais menos óbvios onde a água pode ser acumulada. O mosquito gosta de água parada, independente da limpeza, e prefere os cantos e o escurinho, como atrás das portas, do sofá, da geladeira, dos armários, embaixo de escrivaninhas, na bandeja do ar condicionada, nas calhas.

Inspeção - De acordo com a Fiocruz, uma inspeção semanal de dez minutos é suficiente para eliminar os criadouros domésticos, que representam por cerca de 80% do total.


Confira 10 dicas para combater a dengue elaboradas pelo site Cria Saúde:

1. Não deixe acúmulo de água. A água da chuva pode se acumular em garrafas, pneus, ou qualquer outro reservatório. Após os períodos de chuva, verifique se não ficou água acumulada em algum local.

2. Ponha areia nos vasos das plantas. Em vez de usar água para as plantas, use areia ou pó de café nos pires dos vasos e, então, coloque água. A água contida é suficiente para manter as plantas vivas, mas sem ser um ponto de depósito dos ovos do mosquito da dengue.

3. Faça furos nos pneus velhos. Os furos permitem que a água acumulada escorra, não ficando parada e, assim, evitando que o mosquito se reproduza.

4. Cuidado com a caixa d’água. A caixa d’água é um excelente reservatório para os ovos da dengue. Mantenha-a sempre fechada e a limpe frequentemente com produtos especializados para a limpeza de caixas. Isso também vale para poços, cisternas e caçambas.

5. Remova folhas e galhos das calhas. Esses objetos, assim como outros (flores, pedaços de garrafa, etc) impedem que água escoe e então, se acumula. Verifique semanalmente o estado de calhas, canos e ralos.

6. Evite cultivar plantas aquáticas. Durante o pico da dengue, plante outros tipos de planta.

7. Mantenha latas e garrafas emborcadas para baixo. Isso evita que a água da chuva se acumule e fique parada por muito tempo. O ideal é jogar garrafas, latas e latões fora ou não deixá-los expostos.

8. Use telas protetoras. A tela protetora evita que os mosquitos entrem na sua casa, mas não impedem que ele se reproduza. O uso de telas e tecidos nas janelas é uma medida complementar e deve ser associada às outras práticas para evitar a reprodução do Aedes.

9. Cuide das piscinas. As piscinas são normalmente difíceis de tratar por possuem um volume grande de água. Se você não a está utilizando, cubra-a com uma lona. Trate a água da piscina com cloro e outros desinfetantes de água.

10. Preste atenção ao lixo. Muitas pessoas pensam que os lixos, por acumularem água suja, não apresentam perigo à dengue. Mas a verdade é que se há água acumulada, há a possibilidade de reprodução do mosquito. Para isso, vede os sacos de lixo e não os deixe expostos.


Por: Comunicação/Postal Saúde
Foto: Banco de imagens Stock Photos

Fontes:

Ministério da Saúde: http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/links-de-interesse/301-dengue/14610-curiosidades-sobre-o-aedes-aegypti
O Globo: http://g1.globo.com/bemestar/noticia/2015/05/mosquito-da-dengue-prefere-os-ambientes-mais-escuros-das-casas.html
Site Cria Saúde: https://www.criasaude.com.br/noticias/dicas-para-combater-a-dengue-00007.html