29/01/2020 - 17:12 - Atualizado em 29/01/2020 - 17:33

Você sabe qual é a diferença entre mensalidade e coparticipação?

Saiba o que alterou no custeio do plano CorreiosSaúde II

O plano CorreiosSaúde II divulgou recentemente algumas alterações na forma do custeio, mas você sabe exatamente o que mudou? A Postal Saúde preza pela oferta do melhor serviço possível aos seus beneficiários e, para que isso seja feito com transparência, mostra o que ficou diferente a partir deste anúncio.

Como os beneficiários já tinham conhecimento, o custeio do plano se dava por meio da cobrança de mensalidade e coparticipação. As alterações atingiram apenas a cobrança da mensalidade dos beneficiários, mantendo o percentual da coparticipação.

Mensalidade atrativa

Com a divulgação das novas regras, em janeiro de 2020, a forma de custeio da mensalidade foi alterada para buscar a paridade de 50% para a Mantenedora (Correios) e 50% para os beneficiários.

O cálculo da cobrança da mensalidade é feito com base na faixa de remuneração do beneficiário titular. Já a mensalidade dos dependentes tem um percentual fixo: 60% para cônjuge/companheiro(a) e 35% para cada filho(a)/menor sob guarda, sempre em relação à mensalidade do titular.

Então, a mensalidade é o somatório dos seguintes valores:

• Mensalidade do titular +

• Mensalidade do Cônjuge/Companheiro(a) (se houver) +

• Mensalidade dos filhos(as)/Menores sob guarda (se houver)

Porém, há um limite para a cobrança da mensalidade para que não haja uma sobrecarga nas contas mensais dos beneficiários. Esse limite leva em consideração duas variáveis: a remuneração ou a idade do titular. O valor escolhido é sempre aquele mais vantajoso para o beneficiário, ou seja, o que tiver menor valor.

Para entender, na prática, como esse ajuste funciona, veja esse exemplo:




A coparticipação não mudou

Já a coparticipação, que é a participação do beneficiário quando há utilização do plano, continua sendo calculada sobre os 30% em casos de exames, consultas, tratamentos seriados, alguns procedimentos cirúrgicos, entre outros.

No plano CorreiosSaúde II, não há coparticipação em internações, momento delicado no tratamento de saúde de um beneficiário e quando os custos são os mais elevados.

É importante lembrar que não houve alteração no percentual de coparticipação dos beneficiários do plano CorreiosSaúde II.

Há também um teto para a coparticipação sobre a despesa, além de uma margem que limita a quantia que será cobrada ou descontada mensalmente – que é de, no máximo, 5% da remuneração líquida do titular.

Para ver como funciona o cálculo do teto e da margem, com exemplos práticos, consulte a cartilha de Mensalidade e Coparticipação clicando aqui.

Confira também o vídeo produzido pela Postal Saúde para explicar os ajustes:

Novo custeio do plano CorreiosSaúde II


Postal Saúde sempre próxima dos seus beneficiários

A Postal Saúde reitera o compromisso com a transparência e mantém os canais de atendimento disponíveis para resolver qualquer dúvida sobre as mudanças no custeio do plano.

Assim, caso haja algum questionamento, basta ligar na Central de Atendimento ao beneficiário (0800 888 8116) ou procurar pela filial da Postal Saúde no seu estado.


Postal Saúde. Sua vida, nossa existência.