+ Conteúdo :: Notícias dos Correios

17/12/2013 - 20:32 - Atualizado em 25/04/2017 - 18:04

Quais são as características dos remédios para emagrecer?

Os remédios para emagrecer chamadosinibidores do apetite liberados pela Anvisa para o consumo no Brasil são a sibutraminae os derivados de anfetamina (femproporex, dietilpropiona e mazindol) todos eles, atualmente, somente podem ser vendidos comreceita médica especial controlada tipo B-2 que fica retida nas farmácias. A farmácia no momento da compra repassa as informações diretamente para a Anvisa por meio de um registro eletrônico. Com esses dados a Anvisa pode controlar melhor o consumo.

A sibutramina considerada de primeira classe no tratamento da obesidade deixou de ser vendida como medicamento comum e passou a integrar a categoria de drogas que exigem a receita especial. Inclusive houve um período em que a venda havia sido temporariamente suspensa, depois foi retomada com os critérios já citados. Tudo ocorreu depois que estudos apontaram que o consumo de sibutramina aumenta o risco de problemas cardíacos.

Outro ponto importante é que esses remédios já estavam na mira dos organismos reguladores porque estão entre os medicamentos que registraram maiores aumentos de consumo nos últimos anos no Brasil, esse aumento muito grande no consumo chamou até a atenção de organismos internacionais, tanto que o Brasil é apontado por organismos internacionais como o maior consumidor deste tipo de produto em todo o mundo.

Antes da adoção do novo método de controle dos remédios para emagrecer a Anvisa cogitou banir de vez a comercialização de todos os remédios para emagrecer que atuam no sistema nervoso central: a sibutramina e os derivados de anfetamina (femproporex, dietilpropiona e mazindol). Pela anvisa a única droga para o tratamento da obesidade que continuará liberada será o orlistate (Xenical).

Vamos falar um pouco do Orlistat (Xenical) que originalmente foi desenvolvido como um possível tratamento para a dislipidemia (colesterol e triglicerídeos elevados) mas, quando perceberam que tinha a habilidade de promover a perda de peso, o foco mudou. O Orlistat é um potente inibidor das lipases pancreáticas, o que reduz a digestão das gorduras no intestino, diminuindo em 30% a absorção da gordura ingerida através da alimentação. A maior dificuldade no uso do Orlistat é a baixa adesão ao tratamento devido a um efeito colateral bastante comum e muito indesejado: as fezes tornam-se gordurosas e os pacientes tem episódios freqüentes de diarréias

Tags